Corporate Pass: equidade de gênero para além da teoria

Equidade de gênero para além da teoria

Desde que iniciei minha aventura empreendedora o foco é o mesmo: a mulher e seu lugar no universo dos negócios. Tudo isso porque eu sou uma delas.
A Feminaria nasceu com objetivo definido – daí a chegar a um produto final lá se vai 1 ano e meio de muito trabalho e a consciência de que somos e seremos sempre Beta, o que não nos impede de ser uma empresa sólida e comprometida.

A Feminaria nasceu do desejo por uma sociedade mais equânime.
A Feminaria nasceu do desejo por uma sociedade mais equânime.

Trabalho para mulheres que trabalham – e isso é motivo de muito orgulho por aqui. Definimos nosso modelo de negócio nos posicionando como uma desenvolvedora e oferecendo programas que oferecem consultorias e mentorias especializadas e inúmeros benefícios, por valores muito competitivos e fixos. Isso permite que nossas clientes possam ter um investimento fixo e acessível em melhorias.

O que mais me assombrava era não ter descoberto ainda uma forma de atingir as mulheres dentro do ambiente corporativo – ecossistema de onde vim e conheço bem – e sei da enorme necessidade de suporte qualificado para que a mulher dentro dele possa ter um desenvolvimento profissional expressivo.

Como alinhar necessidade de investimento em capital emocional (feminino, no nosso caso) com a área de negócios – com os orçamentos empresas cada vez mais apertados?

Corporate Pass e a equidade de gênero na prática

Fizemos um longo estudo sobre como as empresas poderiam se engajar e lucrar com a equidade de gênero, e assim criamos o CORPORATE PASS. Quando a empresa adere ao CORPORATE PASS ela se compromete com o empoderamento profissional daquela colaboradora em cargos de liderança. O PASS dá acesso exclusivo ao PROGRAMA EIXO, que é voltado ao desenvolvimento da carreira. Nele as clientes do programa contam com reuniões mensais e individuais com profissionais da área de desenvolvimento humano, garantindo suporte não apenas profissional (por meio das mentorias) como também do capital emocional dessa mulher que tem tanto a conquistar e contribuir com as empresas onde atua.

Aqui a colaboradora vai poder contar com a Empresa como sua aliada, fazendo com que o movimento mundial para paridade de gênero mencionado pela Agenda da ONU seja efetivamente cumprido. Empresas que aderem ao Corporate Pass podem perceber um valor agregado palpável. A relevância do Capital Emocional ou Psicológico foi validada por uma pesquisa do Gallup em 2013, envolvendo 47.000 pessoas em 120 países. As empresas com altos índices de bem-estar emocional e comprometimento dos empregados, comparativamente aos seus concorrentes que não tem estes mesmos índices, apresentam índices ao redor de 30% superiores em market value, produtividade, rentabilidade, segurança, rotatividade e absenteísmo.

Como funciona o Corporate Pass?

Com a adesão ao Corporate Pass, sua empresa oferece acesso ao Programa Eixo para suas colaboradoras. O programa tem como objetivo aprimorar capacidades, habilidades, pontos fortes e aptidões com o objetivo de incentivar o intraempreendedorismo.

Quem pode aderir ao Corporate Pass?

Essa definição ficará a cargo da empresa. Nossa recomendação é que seja aberta a possibilidade de adesão às colaboradoras em cargos de liderança, pois poderão contar com mentorias e orientadorias que vão guiá-las no percurso profissional, com sigilo absoluto sobre os temas debatidos no Programa.

Investimento e giveback

A empresa deverá reembolsar entre 70% e 100% do valor pago na mensalidade de sua colaboradora no Programa Eixo. No curto prazo já é possível perceber melhoras na retenção de talentos e diminuição do turnover. Em uma análise conservadora, é possível dizer que o investimento no capital emocional das funcionárias aumenta em pelo menos 30% o seu grau de comprometimento com as empresas em que trabalham.

Se você faz parte do quadro de colaboradoras de uma empresa que esteja envolvida ou queira se engajar na briga pela paridade de gênero, convide seu RH e Corpo Diretivo a conhecer o Corporate Pass da Feminaria. Se você é quem tem a caneta nesse ecossistema, não espere para entrar em contato conosco.

A vida não é uma linha reta

– por Mariana Zambon Braga

Quando pensamos nos nossos objetivos e nos planos que traçamos para alcança-los, a tendência é idealizarmos uma linha perfeita, reta e precisa. Como um gráfico pontilhado de lógica e verdades. Depois de destrinchar todas as possibilidades da realização de um sonho ou projeto, desenhamos um mapa e colocamos o pé na estrada, por assim dizer.

A meta está lá, no fim do traço, na seta, no ponto de chegada. Está implícito que partimos apenas de um ponto fixo em nossa linha do tempo. Estamos no ponto A e desejamos ir ao ponto B, que no futuro se transformará em ponto C e assim por diante. Porque, obviamente, com o passar do tempo, teremos novos objetivos a conquistar.

E como nosso tempo sempre é curto, temos pressa de chegar ao final. Por isso, é comum ignorarmos os contratempos. Quer dizer, nós os consideramos – afinal, todo plano que se preze leva em conta os possíveis cenários negativos.

Traçamos diversas retas de um ponto a outro, imaginando quais serão os pit stops necessários ao longo do caminho. No âmbito profissional, essas paradas podem significar um curso, uma especialização, a expansão dos negócios. No contexto pessoal, podem ser as metas de relacionamento, autoconhecimento, tudo aquilo que consideramos vital para o nosso crescimento como seres humanos.

Mas, o que acontece quando essa linha se entorta um pouco para a direita, para a esquerda, desenhando traços sinuosos e curvas imprecisas? Será que estamos preparadas para pegar um desvio ou recalcular a rota?

Uma estrada tortuosa

Por mais que o nosso plano seja realista, a verdade é que é impossível prever tudo o que pode dar errado ou fugir do nosso controle. Ainda que nosso foco esteja bem estabelecido em nossos projetos, precisamos compreender que a existência não é algo linear. Esta seta imaginária que traçamos rumo ao tão sonhado horizonte pode se romper, por motivos que fogem ao nosso controle. E está tudo bem.

Um dos grandes aprendizados que a maturidade nos traz é compreender que o controle é algo que pode nos escapar por entre os dedos num piscar de olhos. E para manter a sanidade, para poder continuar em pé em meio à tempestade, é essencial termos em mente que, em algum momento da vida as coisas não vão sair como planejamos.

Pode ser que você saiba exatamente o que fazer para chegar aonde deseja. E, no meio do caminho, decida que não era bem esse o lugar onde queria estar.  Talvez, nesse momento de incerteza, uma luz de emergência se acenda dentro da sua bússola pessoal, indicando que não é possível voltar atrás, ou o fracasso será iminente.

Uma nova perspectiva

Vou te contar um segredo: não tem problema se você voltar atrás.  Às vezes, é a melhor coisa a se fazer. Escolher um novo ponto de partida, vislumbrar novos horizontes. Reinventar as suas possibilidades. Ainda que o objetivo permaneça o mesmo, você certamente não será a mesma, e isso, por si só, já é um novo começo.

A vida não é linear. É inconstante, tem caminhos tortuosos, nos faz tropeçar e mudar de rumo.  E muitas vezes são os terremotos e os imprevistos que nos ajudam a enxergar os cenários mais gratificantes.

No fim das contas, mais importante do que aonde iremos chegar é toda a jornada que nos leva até lá.


Mariana Zambon Braga
Responsável pela redação da Rede, é tradutora de inglês, formada em letras pela USP.

Atua nas áreas de: contratos, traduções técnicas, traduções literárias, artigos e monografias. Escritora por vocação e realizadora por necessidade. 


Imagem: Pexels

Você prefere ter razão ou descobrir a verdade?

– por Mariana Zambon Braga

Durante séculos, a humanidade tem desenvolvido ferramentas para investigar a verdade dos fatos da vida e do universo. A filosofia, os métodos de investigação científica, a racionalidade, de modo geral, nos auxiliam a organizar o pensamento e a demonstrar uma resposta através de mecanismos minimamente concretos.

Ignorar todo esse processo de evolução do pensamento é algo inimaginável, não é mesmo? Porém, a cada dia mais e mais notícias falsas pipocam em nossas timelines e presenciamos discussões embasadas em argumentos inexistentes – exceto pela máxima “essa é a minha opinião”.

Uma opinião não vale mais do que a verdade absoluta, por mais que nossas crenças pessoais sejam apaixonadas. Vocês acreditam que existe um grupo de pessoas que jura que a Terra é plana? E ai de você se tentar convencê-los do contrário, apresentando fatos.

Tudo isso porque nós achamos que estamos com a razão, que estamos certas, mesmo quando não estamos. E por que será que a gente resiste em aceitar que a nossa opinião ou nossas ideias estão erradas?

Quando se trata de opinião, somos, em maioria, combatentes. Tomamos nos braços o tesouro precioso criado pela nossa mente, formado por nossos conceitos e ideias, os trancamos em um baú bem protegido. Mostramos ao mundo quando desejamos e, pelo medo de sermos roubadas, voltamos a trancafiar a preciosa opinião a sete chaves, evitando ao máximo que ela seja transformada.

Queremos estar certas. Queremos vencer a batalha da argumentação. Isso nos dá uma sensação de poder, inteligência, sabedoria e validação. Queremos que a nossa visão de mundo prevaleça, acima de tudo.

Parece até que mudar de opinião é algo que nos rouba de nós mesmas. Embora, obviamente, não roube. O nosso valor pessoal não está atrelado ao fato de estarmos certas ou erradas a respeito de alguma coisa. 

Em sua palestra no TED, Julia Galef nos mostra que defender as suas crenças não é uma questão de personalidade forte, mas de mentalidade. Ela afirma que existem dois tipos predominantes de mentalidade: a do soldado, e a do batedor.

A mentalidade do soldado fará o que for preciso para combater as ideias inimigas, atacando-as, ou defendendo as suas próprias noções sobre o assunto em questão. É o que os cientistas chamam de tendência cognitiva ou viés cognitivo – que, em resumo, nos leva a tomar decisões com base nas emoções, e a confirmar teorias sem nenhum embasamento, apenas pelo “achismo” e pela validação de outras pessoas. Traduzindo: é uma mentalidade fechada.

Já a do batedor tentará ter uma visão clara da verdade, ainda que ela seja inconveniente ou nada prazerosa. O batedor não tentará vencer, mas sim procurar conhecer o cenário, identificar o que existe no plano real, investigando a situação da forma mais precisa e franca possível. A mente do batedor está sempre aberta.

Segundo a palestrante, essa é uma mentalidade fascinante. E eu tenho que concordar com ela. Vencer as barreiras dos nossos próprios preconceitos e tentar enxergar os fatos é muito difícil. Envolve admitir que nossos julgamentos estão errados, deixar de lado o nosso ego e as nossas emoções. Ser um pouco mais racional, perseguir mais a curiosidade.

Isso não significa que defender um ideal é algo errado ou contrário à racionalidade, de forma alguma. Porém, antes de tomar essa crença como sua e tentar defendê-la com unhas e dentes, busque a verdade. E, se você perceber que estava errada, tudo bem. A mente aberta é o que nos move a conhecer cada vez mais o mundo e a vida como realmente são. Na pior das hipóteses, nos ajuda a enxergar um pouco o outro lado da moeda.

Encerro este textão com o questionamento final da palestrante: “O que você mais anseia? Defender as suas crenças ou enxergar o mundo da forma mais clara possível?”

Confira o TED Talk da Julia na íntegra:


Mariana Zambon Braga
Responsável pela redação da Rede, é tradutora de inglês, formada em letras pela USP.
Atua nas áreas de: contratos, traduções técnicas, traduções literárias, artigos e monografias. Escritora por vocação e realizadora por necessidade.


Imagem: Unsplash

 

Nutrição: Café – Mocinho ou Vilão?

– por Tatiana Picirillo

Um cafezinho é tudo de bom, não é mesmo? Mas, afinal, ele é mocinho ou vilão?

A verdade é que tudo vai depender da quantidade e o modo como este café está sendo ingerido. A recomendação é de aproximadamente duas xícaras de 180 ml ao dia e quem acaba consumindo uma quantidade muito superior a esta não usufrui de seus benefícios.

E quais são eles?

O café traz melhoras ao estado de alerta, aumenta a energia e a concentração, diminui o sono e o cansaço, melhora os sintomas de doenças como Alzheimer e Parkinson. O café coado é mais saudável que o expresso, pois este último possui duas substâncias – o caeol e cafestol – que podem interferir no aumento de colesterol. Quando o café é coado no filtro de papel, estas substâncias se desprendem e são filtradas antes de chegar ao seu copo.

O tradicional cafezinho após o almoço também não é benéfico, pois a cafeína inibe a absorção do ferro. No caso das pessoas que apresentam sensibilidade gástrica como gastrite ou úlcera, o café irrita a mucosa, podendo machucar as paredes do estômago.

Tomar café em copo de plástico não é interessante pois o café quente faz o plástico liberar resíduos tóxicos. Café com açúcar o  torna mais calórico, além de interferir em seus benefícios. A melhor opção é tomá-lo ao natural.

Uma dica para evitar o uso de açúcar é coar o café com canela, pois dá um gostinho diferente e mascara a falta do sabor doce.

Agora que você já sabe os benefícios e malefícios do café, escolha a melhor opção para ingerir esta tradicional e deliciosa bebida.


A Tatiana é Consultora da Feminaria e presta atendimento às nossas Associadas. Para agendar o seu horário, entre em contato pelo telefone (11)2737.5998 e verifique a disponibilidade. Para mais informações sobre como ser Associada Feminaria, envie um e-mail para: contato@feminaria.com.br ou casa.feminaria@feminaria.com.br

Tatiana Maia Piccirillo

Consultora da Feminaria, Formada pela Universidade São Judas Tadeu. Pós-graduada em Nutrição Clínica pela Universidade Gama Filho. Coach Nutricional, trabalha com emagrecimento voltado para reeducação alimentar e mudança de comportamento. 

Por uma maternidade real, consciente e empática

– por Fernanda Vicente

Em um sistema que nos vende a maternidade compulsória e romantizada, onde a mãe deve abrir mão de tudo e viver apenas para os filhos, é importante falarmos sobre a maternidade de forma crítica, real e empática.

No entanto, para debatermos sobreo assunto, é necessário levar em consideração as peculiaridades e especificidades de cada mulher. O gênero nos une, mas raça e classe nos separam em um determinado momento.

Por exemplo: sou mulher, mãe, branca, classe média e com graduação.  Sei das opressões que sofro por conta do meu gênero. E sendo mãe, essa opressão aumenta. Mas reconheço e admito meus privilégios. Posso a qualquer momento sofrer violência de gênero. Mas nunca saberei o que é o combo racismo mais machismo e misoginia.

Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), apesar de uma melhora nos índices entre 2000 e 2010 em relação à população afro-brasileira, o analfabetismo entre as negras ainda é o dobro se comparado com as brancas. Em relação à taxa de desemprego, em 2015 foi registrado que 17,4% das mulheres negras com ensino médio estava sem emprego, contra 11,6% da média feminina.

london-scout-27288

A violência obstétrica, por sua vez, afeta boa parte de mulheres no país, como aponta o levantamento da Agência Pública. Segundo dados de 2010 da Fundação Perseu Abramo, uma em cada quatro mulheres sofre algum tipo de violência durante o parto como gritos, procedimentos dolorosos não autorizados ou informados, ausência de anestesia e negligência. Há também queixas de assédio sexual durante o pré-natal. Com as mulheres negras a incidência da violência é mais presente.

Na campanha “SUS sem racismo”, do Ministério da Saúde, em 2014, 60% das vítimas de mortalidade materna no país são negras; somente 27% das mulheres negras tiveram acompanhamento durante o parto, enquanto do lado das mulheres brancas, esse número chega aos 46,2%.

Dialogarmos com diferentes realidades se faz necessário para uma maternidade crítica e política, para que possamos assim pontuar nossas demandas, que são muitas e, na maioria das vezes, ignoradas pelo sistema que prefere virar as costas e continuar explorando nossa força reprodutiva e de trabalho.

É preciso entender que nem toda mãe tem acesso a informações sobre parto, puerpério, amamentação. Nem toda mãe tem tempo para levar e buscar o filho na escola. Nem toda mãe pode optar por não mais trabalhar depois do parto. Nem toda mãe pode colocar o filho numa escola com uma pedagogia alternativa. Nem toda mãe tem tempo para cuidar dos filhos, principalmente quando essa mulher mora afastada dos centros urbanos e sai para trabalhar de madrugada muitas vezes para cuidar dos filhos de outras mulheres. Nem toda mulher tem acesso aos seus direitos mais básicos e a informações importantes.

london-scout-41029

A construção de uma sociedade mais justa e igual também passa pelo olhar empático sobre a realidade de outras mulheres. Maternidade consciente não é apenas entendermos os mecanismos patriarcais em que estamos inseridas e tentarmos dessa forma lutar contra essa estrutura. É também olharmos com empatia para outras mães e procurarmos entender o que passa na vida dessa mulher, sem querer ser salvadora ou detentora da verdade, apenas entendendo que somos muitas, somos plurais e a consciência de uma maternidade crítica se dá a partir dai.


Fernanda Vicente é mãe, feminista, jornalista e idealizadora do projeto Mães no Enem & Mães na Universidade, uma ação que tem como objetivo apoiar e auxiliar mães estudantes em todo o país.


Imagens: London Scout – Unsplash

Desistir também é uma opção

– por Mariana Zambon Braga

Este não é um texto motivacional. Já existem muitos deles por aí, principalmente aqueles que dizem que “Desistir não é uma opção”. Como se chegar ao fim de alguma coisa, ou alcançar determinado objetivo, valesse a pena em qualquer situação. Mais ainda: como se fosse válido suportar toda e qualquer adversidade para sentir o gosto da vitória.

Em muitos casos, a persistência, o foco e a dedicação são, de fato, qualidades que nos impulsionam para as metas das quais temos plena convicção. Seguimos aguentando as dificuldades, engolindo os sapos da vida, trabalhando horas a fio, pois, no nosso íntimo, sabemos que o fim da jornada será válido. Ou, talvez, por não termos condições de analisar outras opções – quando, por exemplo, nosso emprego ou trabalho é a única maneira viável de sustento.

oleukena_givingupisnotanoption-2Supondo que estamos em uma situação na qual é possível escolher, o lema desistir não é uma opção nos estimula a continuar trilhando um caminho sem pensar em voltar atrás. Adotamos a mentalidade dos maratonistas, que seguem um percurso solitário e cansativo até a linha de chegada. E, como estes esportistas, descobrimos muitas riquezas ao longo do processo, transformando as cãibras, o suor e os quilômetros percorridos em aprendizado. A trajetória, em si, acaba sendo tão frutífera quanto a própria medalha. 

Mas e quando estamos em uma corrida sem fim? Ou melhor: e quando o percurso não nos leva a lugar algum e corremos em círculos? Nessas situações, talvez seja mais produtivo encarar a realidade e desistir, sem medo.

Antes de pensar em mergulhar de cabeça ou entregar-se de corpo e alma a um projeto ou a um objetivo a ser alcançado, precisamos ter certeza de que aquele é o lugar aonde queremos chegar. E nem sempre conseguimos ter a plena segurança de que estamos no caminho certo, não é mesmo? Em todos os contextos da nossa vida, no trabalho, nos relacionamentos e nos projetos pessoais, a dúvida nos visita constantemente.

Enquanto percorremos a estrada até o destino planejado, podemos começar a acreditar que aquilo não faz mais sentido. Neste caso, o que é melhor: permanecer num beco sem saída, num labirinto, ou dar alguns passos para trás e, com mais clareza, enxergar as novas possibilidades? 

É normal querer terminar algo que começamos. Dá uma sensação gostosa de dever cumprido, de conquista e merecimento. Por isso é tão difícil desistir. Pensamos: “Perdi tanto tempo da vida com isso, e agora vou abandonar?”.

Porém, ao invés de olhar para algo que você deixoleukena_givingupisnotanoption-3ou para trás como uma derrota ou uma desistência, você pode enxergar toda a bagagem que acumulou até aqui- seja em termos de qualificações e habilidades, seja em termos emocionais – e pensar em como ela será útil em qualquer outro caminho que você escolher trilhar.

Desistir de algo que não te faz bem ou que não te ajuda a crescer e melhorar não é sinônimo de fraqueza, mas de autoconhecimento e maturidade. Ao aceitar que nada nessa vida é permanente, que existem infinitos caminhos e que é, sim, possível (e às vezes, necessário) mudar de opinião, de foco e de objetivo, conseguimos nos cobrar menos.

Ser capaz de desistir é poder errar e reconhecer a força dos recomeços.

É preciso ter muita força para abdicar de um emprego sufocante ou explorador, para desapegar de um relacionamento abusivo, para seguir em frente e demolir as paredes dos becos sem saída e dos labirintos.

Desistir pode ser, sim, uma ótima opção. Só não podemos é desistir da vida, tão rica e repleta de possibilidades.


givingup

Para ilustrar esse texto, escolhi a série de fotografias do artista alemão Ole Ukena. Ao olhar para esta instalação, somos confrontados, à primeira vista, com uma situação na qual o artista está prestes a terminar a obra. Uma escada, algumas letras, pregos, pincel e tinta ainda estão espalhados no chão, como se aguardassem pelo momento de serem usados. Ao olhar mais atentamente, percebemos que a frase “Giving up is not an option” (Desistir não é uma opção) deve ser lida à luz da ironia. O artista desistiu de terminar a instalação que recebe este nome e a obra é finalizada sem ser terminada.


Mariana Zambon Braga
Responsável pela redação da Rede, é tradutora de inglês, formada em letras pela USP.
Atua nas áreas de: contratos, traduções técnicas, traduções literárias, artigos e monografias. Escritora por vocação e realizadora por necessidade. Contato: redacao@feminaria.com.br

Do Puerpério: Nascer e Renascer

– por Elaina Nunes

“Criar bebês é muito árduo porque, assim como a criança, para ser, entra em fusão emocional com a mãe, esta, por sua vez, entra em fusão emocional com o filho para ser. A mãe passa por um processo análogo de união emocional. Ou seja, durante os dois primeiros anos, é fundamental uma “mãe-bebê”. As mulheres puérperas tem a sensação de enlouquecer, de perder todos os espaços de identificação ou de referência conhecidos; os ruídos são imensos, a vontade de chorar é constante, tudo é incômodo, acreditam ter perdido a capacidade intelectual, racional. Não estão em condições de tomar decisões a respeito da vida doméstica. Vivem como se estivessem fora do mundo; vivem, exatamente, dentro do “mundo-bebê. E é indispensável que seja assim. A fusão emocional da mãe com o filho é o que garante que a mulher estará em condições emocionais de se desdobrar para que a cria sobreviva”.

 – A maternidade e o encontro com a própria sombra, Laura Gutman.

 

puerperio

Quando Maria nasceu, Nadia morreu. Mas não pode tratar de seu funeral, pois haviam lhe dado uma missão: tornar o mundo o lugar mais hospitaleiro, eficiente e confortável para acolher corretamente sua arte manifesta, sua Maria. Sua obra estava lá, concreta, de olhinhos brilhantes e coração pulsante. Estava explícita, viva, viva.

Meu Deus, há um bebê dormindo lá no quarto. Uma alma, parte minha e totalmente externa a mim. Minhas entranhas estão balbuciando no moisés. Alguém aí, por favor, me explica como isso aconteceu? Mas espera, preciso estar viva agora, sua vida depende disso.

Mas Nadia estava morta, e em êxtase.

Não sei quem é você, belo bebê, e já não sei quem sou. Teremos que caminhar juntas, minha obra prima. Seja o que Deus quiser. Ressuscito-me na marra. O amor é visível, é possível tocá-lo. Tê-la em meus braços é morrer mais uma vez. Alguém por gentileza chame o SAMU; não peço mais nada, estou tentando dar conta de tudo sozinha.

Daí vieram os olhares, os dizeres, as ordens e o carrasco interior. É preciso que se faça assim, que esteja tudo dessa forma, cubra já essas tetas, tira o carrinho do caminho.

Se ela é minha? Porque duvidas senhora, por ela ser branquinha e eu moreninha? Não, amada, achei numa caçamba e catei pra mim de souvenir. Meu bem, perdoa, mas não esconderei as tetas. Não, querida, será feito dessa forma. Já estava tudo meio turvo, agora não enxergo mais nada. Será que será? E agora? Joga aí no Babycenter, cadê o livro do doutor Rinaldo?… Meu Deus, olha o que fiz com o umbigo de minha filha! A cabecinha dela tá ficando amassada. Não estou à altura de tamanha responsabilidade, desabo e morro mais uma vez.

Ela está chorando, deixa eu respirar. Voltemos ao começo. Não entendi, pode explicar de novo? Espera ela arrotar.

Daí, vieram os nãos, o medo, a falta de ar, a febre altíssima, as médicas grosseiras, o pavor novamente, as comparações. Ar, preciso de ar.  Mãe, olha ela rapidinho, darei um pulo na terapia, é caso de vida ou morte. Não te peço mais nada.

E foi assim que a força veio como uma represa arrebentada. Com a força, finalmente a voz.  Ela veio! ah obrigada minha Deusa, ela chegou e era bonita: era minha! Uma bela mezzo soprano abafada por regras, slings, conselhinhos, normas, supermothersoftheworld. Excluo-me de todos os grupos e retorno, plena, ao regaço aconchegante da Grande Mãe.

Um ano de trabalho de parto e enfim lá estava ela, a mãe da Maria! Toda torta, porém honesta, já que agora havia um norte e uma certeza interior. Estavam juntas, por fim! E juntas, Maria e Nadia são invencíveis.

O amor me fortalece e volta a ti triplicado, minha masterpiece. A vida agora tem gosto de chocolate e um grandíssimo sentido. Vambora juntas, amor maior de minha vida. Viver é uma aventura deliciosa, dá aqui sua mão… Obrigada, minha filha, obrigada.


Elaina Nunes

Oraculista há 20 anos, realiza leitura do Tarô e baralho Petit Lenormand com abordagem terapêutica. Estuda e investiga Astrologia e Simbologia, iniciando sua formação na Escola Santista de Astrologia e CEAP – Centro de Estudos de Astrologia Psicológica. É mãe da Stella e apaixonada por Carl Jung. Em breve realizará atendimentos presenciais na Casa Feminaria.


Imagem: Claudia Tremblay

Nutrição – Vamos parar de contar calorias?

– Por Marcela Worcemann

O que é ser saudável para você? Consumir apenas alimentos sem açúcar e zero gordura? Enganar a fome com refrigerante light? Se você respondeu sim para qualquer uma dessas perguntas, espero que esse meu texto faça você rever seus conceitos sobre alimentação saudável!

Desde sempre ouvimos que, para emagrecer ou ter uma alimentação equilibrada, devemos prestar atenção à quantidade de calorias que ingerimos. Na verdade, esse é um dos maiores mitos da nutrição. Porém, para que essa frase fique realmente correta, basta apenas trocar a palavra quantidade por qualidade.

slide_374650_4373250_free

Essa afirmação é a base do conceito de densidade nutritiva, uma forma muito mais atual de se analisar a composição e qualidade das nossas escolhas alimentares. Um alimento com alta densidade nutritiva é um alimento que concentra uma grande quantidade de nutrientes na menor quantidade calórica possível, e, dessa forma, precisamos de uma menor quantidade de alimento para nutrir nosso organismo e satisfazer nossas necessidades.

Um corpo bem nutrido, que recebe tudo que deveria, é um corpo que trabalha melhor e tem todos os seus processos otimizados. Um corpo nessa condição tem mais disposição, tem um metabolismo mais ativo e não sofre de carências, que muitas vezes são o gatilho para alguns tipos de compulsão.

Quando sugiro pararmos de contar calorias, não estou sugerindo que você abuse da quantidade de alimentos que consome, mas sim que se desprenda de um número vazio, que efetivamente não tem grande importância. Veja abaixo alguns exemplos de lanches onde troquei calorias vazias comumente consumidas por densidade nutritiva!

Caloria vazia: barra de cereal diet com chocolate

Densidade nutritiva: 1 banana + 30g de chocolate 70% cacau

Caloria vazia: coxinha

Densidade nutritiva: esfiha integral de ricota com escarola

Caloria vazia: 1 lata de refrigerante zero

Densidade nutritiva: 1 copo de suco de maracujá batido com aveia, linhaça e cacau

Caloria vazia: salgadinho de pacote

Densidade nutritiva: 1 xícara de mix de castanhas com frutas secas

Essas novas opções, apesar de serem mais calóricas, são muito mais nutritivas, auxiliam a controlar o apetite e oferecem energia e matéria prima para que o organismo se mantenha ativo. E então, vamos parar de contar calorias?


Marcela Worcemann

Nutricionista formada pelo Centro Universitário São Camilo, pós graduanda em fitoterapia pela Universidade FAMATEC, atleta e cozinheira amadora. Atuação clínica com atendimento em São Paulo, Santos e Limeira, além de consultoria para empresas.


Imagem: FreeImages.com

Em Perspectiva – a participação e a importância dos rapazes como aliados.

– por Mariana Zambon Braga e Ana Carolina Moreira Bavon

Nossa proposta na Feminaria é clara: “Impactar de maneira positiva a economia de maneira geral. Movimentar o mercado através de ações de colaborativismo, por meio do fomento e desenvolvimento de profissionais mulheres. Trabalhar não só pela igualdade de oportunidades entre os gêneros – mas criar uma cultura da empatia e ressignificação das relações comerciais.”

A protagonista da nossa história é a mulher economicamente ativa. Aqui na Rede todas somos mulheres, tudo aqui foi idealizado por cabeças femininas, com base nas nossas necessidades pessoais e projetado para a realidade de todas nós. Portanto, a Feminaria é Feminina em todos os seus lugares.

Além de ser um espaço democrático e de muita troca, acreditamos que o envolvimento dos rapazes no nosso movimento é mais do que necessário, é imprescindível. Acreditamos que toda mudança estrutural precisa do engajamento de todos, se falamos de impactar a economia de maneira positiva precisamos envolver todos os agentes: homens e mulheres.

gender

A importância de trazer para perto de nós a perspectiva masculina nos levou a criar a coluna: “Em Perspectiva – a participação e o ponto de vista deles”. O objetivo é trazer um novo ponto de vista sobre o nosso tema, e para isso precisamos dos olhos, ouvidos e palavras dos rapazes. Os homens podem e devem ser aliados na nossa luta por igualdade, equidade e ressignificação da ordem estabelecida. Além disso, acreditamos que é importante divulgar vozes masculinas que não reproduzem machismo e que buscam desconstruí-lo. Os rapazes também sofrem com o machismo institucionalizado e precisam sim de referências para aprender, trocar e se libertarem das consequências nefastas de uma sociedade que cria o homem pra ser “macho”. Conversa, troca, envolvimento, diálogo e muita informação transformam a nossa realidade, isso promove empatia e mudanças reais. E é disso que tratamos aqui na Feminaria.

E eis que surge outra questão importante: por que trazer homens para um espaço feminino?

Porque nossa proposta é uma mudança de paradigma e pra isso precisamos envolver todos os agentes da sociedade.

3033824-poster-p-2-how-male-allies-help-the-gender-equality-movement

Trazer os rapazes para perto de nós não significa coloca-los como nossos porta-vozes e nem que a palavra deles tem mais peso que a nossa. Também não significa que eles merecem um “biscoito” por suas atitudes. Significa apenas que dividimos um espaço neste mundo e que, sem a mudança do comportamento dos homens, o machismo não irá desaparecer só porque a gente deseja. Para uma sociedade mais equilibrada, precisamos de mulheres e de homens que tenham isso como objetivo comum.

Trazer os homens para perto, homens nos quais confiamos e que sabemos que serão propagadores de comportamentos positivos e transformadores, é somar forças.

Ter homens como aliados é ter o seu marido, seu namorado, seu amigo, seu filho, como um ponto de apoio para as suas lutas. Apoio, e não liderança. Eu, como mulher heterossexual e casada, preciso sempre manter um diálogo saudável com o homem com quem escolhi dividir a vida. Isso inclui apontar os privilégios dos quais ele desfruta e trabalhar, juntos, para que possamos desmantelar as estruturas tradicionais das relações e construir a nossa própria.

Nós, mulheres, somos as protagonistas do feminismo e das nossas pautas – somos nós que decidimos o que é importante e por que este ou aquele ponto específico precisa sofrer transformações. Somos nós que denunciamos as opressões, pois somos quem sofre com isso. Somos nós que apontamos o caminho a ser trilhado em nossas reivindicações por direitos e quando clamamos pelo fim da opressão. Isso é indiscutível. E a nossa luta sempre será nossa.

O protagonismo é nosso, a luta pode e deve ser coletiva!

Farão parte da coluna como colaboradores:

Fabio Fischer – psicólogo

David Alexandre – tradutor

Dom Lino – produtor musical


Imagens: Shutterstock


Ana Carolina Moreira Bavon

Advogada, consultora jurídica e fundadora da Rede Feminaria.


Mariana Zambon Braga
Responsável pela redação da Rede, é tradutora de inglês, formada em letras pela USP.
Atua nas áreas de: contratos, traduções técnicas, traduções literárias, artigos e monografias. Escritora por vocação e realizadora por necessidade.

O Teto de Vidro: Como as mulheres são impedidas de chegar no topo

– Tradução livre da Rede Feminaria do original publicado no site da Feminist Majority Foundation

Manchetes recentes têm contado a história que a mídia hegemônica quer que acreditemos em relação às mulheres nos altos cargos de chefia: “As Mulheres Marcam Presença e Ganham Respeito nas Diretorias”, “Nova Tendência de Carreira:  Ela Vai e Ele Vai Atrás”, “As Empreendedoras Progrediram Bastante”, “As Mulheres Estão Liberando a Fortaleza do Poder Masculino”, e “Você Progrediu Muito, Querida.”

Por mais descoladas que sejam as manchetes, estas descrições de sucesso da mulher no mundo corporativo são enganosas. Cada vez mais as mulheres estão esbarrando contra um ‘teto de vidro’. Ann Morrison descreve o problema: o teto de vidro é uma barreira “tão sutil que é transparente, mas ainda assim tão forte, que evita que as mulheres avancem na hierarquia corporativa.” Do ponto onde se encontram na escala de hierarquia, as mulheres conseguem ver as posições corporativas de alto nível, mas são impedidas de “chegar no topo” (Quebrar O Teto de Vidro).

De acordo com Morrison e suas colegas, o teto de vidro “não é simplesmente uma barreira individual com base na incapacidade de uma pessoa para lidar com um cargo de nível mais alto. Ao invés disso, o teto de vidro aplica-se coletivamente às mulheres, que são impedidas de avançar na hierarquia porque são mulheres.”

Qual a causa do “teto de vidro?” Confira a opinião das executivas.

glass_ceiling

A segregação profissional corre solta

Da mesma maneira que o mercado geral de trabalho permanece segregado por sexo, as executivas estão concentradas em certos tipos de trabalho – a maioria como assistentes ou em empregos de apoio – que oferecem poucas oportunidades para se chegar ao topo. Uma pesquisa do Wall Street Journal de 1986 constatou que “As mulheres com os cargos mais altos, na maioria dos setores, encontram-se em áreas não-operacionais, como recursos humanos, relações públicas, ou ocasionalmente, em especialidades de finanças que raramente levam aos postos mais elevados da alta gestão”. As mulheres são deixadas de fora dos empregos da “via tradicional de negócios”, o caminho percorrido pelos CEOs e presidentes. Mas mesmo quando uma mulher consegue um desses empregos, não é muito provável que seja “em algum setor crucial do negócio” ou algum tipo de trabalho que possa “alçá-las como líderes.”

O Clube do Bolinha ainda é forte

De acordo com um recrutador de executivos, a maior barreira para as mulheres em altos níveis de gerência é “o grupinho dos caras que se sentam juntos à mesa” e tomam todas as decisões. Em resumo, ao decidir quem promover para um cargo de gestão, os líderes corporativos do gênero masculino tendem a selecionar pessoas mais parecidas com eles o possível – então, não é surpresa que as mulheres frequentemente nem sejam cogitadas na hora da promoção. Ao invés disso, os homens no topo procuram ex-colegas e velhos amigos de escola; em ambas as áreas, as mulheres têm ficado praticamente ausentes.

As executivas mulheres são frequentemente excluídas de atividades sociais e geralmente citam a “camaradagem” entre os homens que existe nos altos cargos. Os altos cargos de chefia são “a versão mais avançada do Clube do Bolinha.”

Mesmo em um nível mais formal, as mulheres relatam que há “certos tipos de reuniões” para as quais não são convidadas porque não são vistas como desenvolvedoras de políticas. As mulheres do mundo corporativo não viajam a trabalho com a mesma frequência que os homens, de acordo com pesquisas da Korn/Ferry Intemational (1982) e do Wall Street Joumal/Gallup (1984). Estudos confirmam essas diferenças de status e o tratamento diferente das mulheres. Um estudo constatou que entre executivos do mesmo nível, os homens “eram responsáveis por números maiores de empregados, tinham mais liberdade para contratar e demitir, e tinham controle mais direto dos bens da empresa” do que as mulheres (Harlan e Weiss).

A discriminação de gênero é difundida

Na pesquisa do Wall Street Journal/Gallup, perguntou-se às gestoras mulheres o que elas consideravam ser o obstáculo mais sério em suas carreiras. Apenas 3% citaram “responsabilidades familiares”, mas metade delas mencionou razões relacionadas a seu gênero, que incluíam: “crença na superioridade masculina, atitudes dirigidas a chefes mulheres, avanço lento para as mulheres, e o simples fato de ser uma mulher“. Na pesquisa da Korn/Ferry International, solicitou-se que as executivas mulheres citassem o maior obstáculo que tiveram que ultrapassar para alcançar o sucesso. A resposta mais frequente foi simplesmente “ser mulher” (40%). Em uma pesquisa recente do Los Angeles Times com 12,000 trabalhadores, dois terços relataram discriminação sexual; 60% mencionaram sinais de racismo.

No estudo do Wall Street Journal/Gallup, mais de 80% das mulheres executivas disseram acreditar que há desvantagens em ser mulher no mundo corporativo. Os homens, elas dizem, “não as levam a sério”. Na mesma pesquisa, 61% das executivas relataram ter sido confundidas com secretárias em reuniões de negócios; 25% disseram ter sido impedidas de ascender na carreira por atitudes masculinas contrárias a mulheres. Uma maioria significativa – 70% – acredita que recebe salários menores que homens com a mesma capacidade.

O assédio sexual é generalizado

O assédio sexual continua sendo um problema sério para mulheres em cargos de gestão. Em uma pesquisa da revista Working Woman de 1988 com executivos de empresas na lista das 500 maiores do mundo da revista Fortune, 90% das grandes empresas relataram reclamações de assédio sexual feitas por empregadas mulheres. A pesquisa constatou que “mais do que um terço das empresas tinham sido processadas por suas vítimas, e um quarto delas tinham sido processadas repetidas vezes“.

No entanto, de acordo com o mesmo estudo, apenas 20% dos agressores perderam o emprego; 4 em cada 5 apenas recebem uma bronca.

O assédio sexual “coloca a mulher em seu lugar”, então um ambiente corporativo que tolera o assédio sexual intimida e desmoraliza as executivas mulheres. Muitas mulheres hesitam em denunciar, por medo de que isso prejudique sua carreira.

Glass-ceiling

Há pouco cumprimento de leis antidiscriminação

Os mandatos dos presidentes Reagan e Bush devastaram o compromisso do governo federal com ações afirmativas. Como resultado disso, a igualdade foi tirada da agenda corporativa. Uma pesquisa de 1983 com 800 líderes empresariais, conduzida pela Sirota & Alpen Associates, constatou que em uma lista de 25 prioridades de recursos humanos, as ações afirmativas de proteção a mulheres e minorias ficou em 23° lugar.

A Suprema Corte Americana, com sua crescente maioria conservadora, emitiu uma série de sete sentenças sobre leis de igualdade de oportunidades de emprego que fazem com que seja mais difícil para mulheres e minorias protocolarem ações de discriminação salarial. Coletivamente, estas sentenças representam uma mudança significativa nas leis trabalhistas criadas durantes os últimos 25 anos. De acordo com o Civil Rights Monitor, as últimas sentenças da corte “fazem com que seja mais difícil para mulheres e minorias comprovarem atos de discriminação, torna mais fácil para os opositores de direitos civis contestarem instrumentos retificadores de violações, restringem a cobertura dos estatutos de direitos civis, e limitam a responsabilidade das empresas por honorários de sucumbência” (Civil Rights Monitor).

Por fim, os homens em cargos de governança corporativa tendem a não perceber a discriminação como um problema real, fazendo com que seja praticamente impossível implementar soluções legais efetivas. De acordo com um estudo detalhado de John P. Fernandez, homens brancos continuamente classificavam problemas encontrados por mulheres em cargos executivos como insignificantes em comparação à classificação feita pelas mulheres. Portanto, sem pressão externa constante e soluções legais sólidas, os problemas muito reais de discriminação de raça e gênero no alto escalão executivo talvez nunca sejam combatidos.


Imagens: Getty Images