Empreendedorismo: saiba administrar seu negócio

Empreendedorismo: saiba administrar seu negócio

Olhar para o seu negócio como uma empresa não deve ser a parte chata (independentemente do tamanho dela). Ao invés disso, deve ser o maior desafio, pois é a boa gestão que vai garantir seu sucesso no empreendedorismo.

empreender é administrar
O desafio é não perder nada de vista

Seu produto ou serviço não é tudo

O empreendedorismo feminino no mundo todo está crescendo a uma taxa de mais de 10% ao ano, segundo o estudo Women Entrepreneur Cities Index (WE-Cities). Apesar do sinal positivo, observa-se que muitas empresas têm fechado as portas logo nos primeiros anos de existência. Entre as razões mais comuns estão a falta de um plano de negócio, a dificuldade de adaptação às tendências do mercado e a má gestão.

No geral, ao iniciar um empreendimento, toda a energia é voltada para a validação do negócio – a atenção é focada em mostrar a qualidade do produto ou serviço que oferecemos, e nos dedicamos a aumentar nossa rede de conexões e vender – vender – vender. Afinal, lá no fundo consideramos sucesso o pro labore mensal – o que não é de todo errado. No entanto, isso não é suficiente.

Um bom exemplo disso encontramos no depoimento, veiculado pela Draft, de Patrícia Lages, uma empreendedora que precisou quase falir para então entender a importância da administração:

“Eu achava que estava preparada, pois subestimava o que é ter um negócio. Eu não sabia que tudo dependia de mim; pensava que minhas funcionárias eram pagas para resolver todos os problemas, e que a mim cabia apenas “fazer o que os donos fazem”. Só que eu não tinha a menor ideia do que um empreendedor, dono de seu primeiro negócio, deveria fazer. Resumindo: eu só achava que estava preparada porque não sabia o que era realmente ter um negócio.”

Empreendedorismo implica visão global do negócio

Enquanto fugirmos da realidade vamos sofrer consequências no bolso; desenvolver um negócio é um exercício de desenvolver uma organização, e portanto envolve necessariamente administração. Empreender implica em errar, e se você ainda não entendeu que é preciso investir em conhecimento administrativo, esse é seu primeiro erro como empreendedora.

Quando o empreendedorismo acontece, a mulher por trás do negócio está automaticamente gerenciando uma organização. Para que isso aconteça o mais eficientemente possível ela precisará de ferramentas para executar as atividades e obter resultados. A administração proporciona as melhores ferramentas e explica como usá-las – cabe a você adquirir a habilidade necessária com a prática.

Aprender a gerir seu negócio é assumir um compromisso de longo prazo. Aprender, conhecer, dominar e aplicar técnicas eficientes de administração são a garantia da permanência no mercado.

A Feminaria existe exatamente para estar ao seu lado na gestão do seu negócio. Conheça nosso Programa Expansão, através do qual fornecemos conhecimento de gestão através de ferramentas, para que você administre seu empreendimento da maneira mais eficiente possível – afinal empreender é administrar.

Como um ERP pode facilitar o seu dia a dia

software-pode-te-ajudar-a-ter-mais-tempo-para-cuidar-de-outras-ideias

Conheça o ERP, ou o novo “painel de controle” do seu empreendimento

A abertura e gestão de empresa foram facilitadas com a era digital. Mas a diversidade atual de opções para gerir processos pode dificultar mais do que ajudar. E se você pudesse reunir todos os processos (ou grande parte deles) num único software? É possível com o ERP!

ERP-pode-fazer-voce-ganhar-tempo
Um dos muitos benefícios da otimização de sistemas é o ganho de tempo economizado na frente do computador

 

Hoje já existem sistemas que agrupam processos e dados e permitem que você gerencie várias partes do seu negócio em um único local. Um desses sistemas é o ERP – Enterprise Resource Planning, ou no português “Planejamento de Recursos da Empresa”. Nos sistemas ERP, você consegue geralmente reunir facilidades como:

  • Finanças
  • Estoque
  • Notas fiscais
  • Vendas
  • Cadastros de cliente
  • Sistemas de entrega

Sistemas deste tipo podem ser facilmente incorporados em empresas de pequeno a nano porte, pois hoje já existem opções com preço competitivo e funcionamento intuitivo, permitindo que a transição ocorra sem tantos danos ou demora.

A integração de vários serviços em um único local tem vários benefícios como: ganho de tempo, maior facilidade de organização, entre outros. Além disso, também permite que você organize e controle com maior facilidade a produtividade dos membros da sua equipe com base nas métricas existentes no sistema. Além disso, por trabalhar com uma base de dados única, o ERP aumenta a confiabilidade das informações que poderiam tornar-se mais confusas se estivessem em vários aplicativos separados.

Na Feminaria todas as clientes em desenvolvimento possuem vantagens na contratação do sistema de ERP Bling. Acesse nossa aba programas e saiba mais.


Gostou do nosso conteúdo? Assine nossa newsletter e tenha acesso a conteúdo de qualidade em primeira mão!

Plano de negócios… afinal de contas, o que é isso?

O que é um plano de negócios, afinal de contas?

Provavelmente você já ouviu falar em plano de negócios e sobre como ele é importante para as empresas, mas, afinal, o que é um plano de negócios?

Em palavras simples, dá pra dizer que um plano de negócios é o "esqueleto" do planejamento de uma empresa. É ele que vai definir, delimitar e esclarecer o modelo de negócios de uma empresa.

Quais são as partes do seu negócio e como elas se encaixam?
Quais são as partes do seu negócio e como elas se encaixam?

 

Mas o que é modelo de negócios?

Sem recorrer a conceitos engessados, dá pra explicar que é o seu modelo de negócios que vai dizer o que você vende, para quem vende, e se vale a pena (não só financeiramente, mas em vários outros aspectos) e se é possível fazer o que você pretende fazer. Um bom modelo de negócios não só delimita sua clientela como também preocupa-se com aquilo que seus clientes valorizam e como eles entendem custo-benefício.

Se o modelo de negócios responde às questões essenciais e fornece uma visão geral do que é o seu negócio e como ele será tocado, o plano de negócios entra em cena para detalhar aquilo que foi fornecido pelo seu modelo.

Um bom plano de negócios serve de orientação para encontrar informações sobre o seu ramo, produtos e serviços, clientes, concorrentes, fornecedores e, principalmente, sobre os pontos fortes e fracos de um empreendimento. É uma ferramenta que pode e deve ser usada para direcionar sua gestão e orientar você na realização de suas metas, pois é ancorada em informações que vão servir de subsídio para decisões estratégicas.

O plano de negócios deve incluir:

  • A proposta de valor do negócio (os produtos ou serviços são úteis e valem o preço que se paga por eles?)
  • Os públicos-alvo de um determinado produto ou serviço (para quem ele interessa?)
  • Os canais de distribuição (como você vai vender ou entregar seus produtos ou serviços?)
  • A forma pela qual se dará a relação com os clientes (como se dá o processo de venda? E a pós-venda?)
  • As descrições dos procedimentos (o que precisa ser feito internamente para que tudo ocorra conforme o planejado?)
  • Os diferenciais competitivos (como um negócio se destaca frente a seus competidores? Como seu produto resolve melhor as necessidades dos clientes?)
  • A rede de fornecedores e parceiros (de quem você compra sua matéria-prima, produtos para revenda ou suprimentos? Dentro do ecossistema de seu negócio, quais players externos podem beneficiar você e serem beneficiados pelo seu modelo?)
  • Estrutura de custos (quanto custa para fazer seu produto ou entregar seu serviço, incluindo todos os gastos que não tem necessariamente a ver com esse produto ou serviço?)
  • Modelo de receita de um empreendimento (simplificando: como você vai ganhar dinheiro com o que faz?)

É importante dizer que um plano de negócios não é um documento que vai ser elaborado e servirá como guia da gestão para todo o sempre. Muito pelo contrário; o plano de negócios é feito para ser mudado de acordo com os objetivos de quem o prepara, e de acordo com as adequações necessárias para a viabilidade de um produto ou serviço, sejam quais forem.

No Programa Expansão da Feminaria você conta com toda a orientação para montar, modificar ou gerir seu plano de negócios e todas as partes que o compõem.

Diferentemente de outras empresas que prestam assessoria empreendedora, não oferecemos cursos que tem início, meio e fim; muito pelo contrário, estamos com você o tempo todo, fornecendo direcionamento constante e personalizado em programas de cogestão. Clique aqui para saber mais.

Gostou desse post? Assine nossa newsletter e receba nossos conteúdos em primeira mão!

Consultoria especializada: mitos e verdades

Consultoria Especializada: Mitos e Verdades

As justificativas para não buscar uma consultoria são as mais diversas. Algumas delas são fundamentadas, mas outras demonstram claramente a falta de conhecimento sobre o que de fato é uma consultoria. Nesse artigo vamos fazer o possível para te ajudar a entender e buscar aquela que mais vai te ajudar de acordo com seu momento.

“Consultoria especializada é cara.”

“Não preciso de uma consultoria especializada porque ainda estou começando.”

“Minha empresa não apresenta problemas que eu não possa resolver sozinha.”

“Uma consultoria não vai conhecer meu negócio tão bem quanto eu.”

“Mas o que é uma consultoria especializada?”

São muitas as perguntas, e a consultoria especializada ainda adormece numa realidade distante daquela empreendedora que até aqui conhecia apenas produtos caríssimos quando especializados. No entanto, atualmente existem opções viáveis que adicionam muita segurança ao desenvolvimento do seu negócio. Vejamos aqui alguns motivos para a contratação de uma consultoria especializada e como ela poderá impactar positivamente seu negócio.

Um dos motivos é você poder se dedicar ao que você faz de melhor!
Um dos motivos é você poder se dedicar ao que você faz de melhor!

Visão imparcial e panorâmica sobre o seu negócio

Uma consultoria especializada vai analisar todos os aspectos do seu negócio sem se envolver emocionalmente. Veja bem, o fato de não haver envolvimento emocional não quer dizer que não haverá comprometimento e interesse real. Acontece que na grande maioria dos casos as gestoras, fundadoras, criadoras e “faz tudo” da empresa acreditam estar fazendo um ótimo trabalho por terem criado e erguido um negócio, muitas vezes com parcos recursos e conhecimento, e justamente por isso acabam por ser bastante resistentes a mudanças. Um negócio precisa de um olhar técnico que acompanhe a modernização do mercado, e nesse caso o olhar crítico de fora é de enorme valia.

Conhecimento técnico multidisciplinar

Uma consultoria vai se debruçar sobre todos os aspectos do seu negócio. Com certeza uma gestora que desenvolveu o próprio negócio conhece – e muito – sobre ele, mas nem sempre (ou quase nunca) vai conseguir abraçar todas as particularidades e áreas de um empreendimento, e é aí que a consultoria supre a lacuna.

Como melhorar o relacionamento com clientes? Como automatizar tarefas? Como fazer uma gestão adequada das finanças? Como se preparar para venda em atacado? Como identificar melhorias no marketing? Uma consultoria sempre vai buscar responder essas e muitas outras perguntas na realidade em que elas foram levantadas.

Foco em melhoria contínua e resultados

Com uma consultoria acompanhando os processos do negócio, a gestora/gestor poderá se dedicar ao planejamento com mais tranquilidade, pois vai dispor de tempo para isso. A consultoria vai manter o olhar focado no crescimento estruturado, enquanto a gestora poderá propor novos desafios.

Uma consultoria especializada vai manter você e seu empreendimento no trilho certo, com olhar para o futuro e em constante atualização, para que possa acompanhar o mercado e suas inúmeras tendências.

Gostou do nosso tema? Assine nossa newsletter para ter acesso a mais conteúdo e caso queira contar conosco como sua consultoria especializada é só visitar a aba programas e saber mais.

Dia das crianças: o desafio de agradar os pequenos e manter o orçamento em dia

Dia das crianças: o desafio de agradar os pequenos e manter o orçamento em dia

Conforme pesquisa da Boa vista SCPC que consultou 1.100 pessoas no país, 57% dos entrevistados informou que pretende gastar uma quantia igual ou menor do que em 2016 para presentear os pequenos. A pesquisa apurou ainda alta de 14% sobre o valor médio dos produtos, passando de R$ 174 no ano passado para R$ 198 em 2017.

Como se não bastasse a alta nos preços, alguns produtos são taxados com impostos de até 100% – entre eles o líder de pedidos das crianças nessa época: o vídeo game.

Segundo a pesquisa, o preço do presente será determinante para a decisão em 40% dos casos. Já o desejo da criança será levado em conta por 33% dos consultados, enquanto a necessidade do produto deve ser considerada em 24% das compras.

É possível unir preço, qualidade, encanto e ainda assim fomentar a economia?

Sem dúvida! Produtos de qualidade, com preço extremamente competitivo e feitos com exclusividade são uma das especialidades das empresas em desenvolvimento na Feminaria, e são elas que indicamos como melhor lugar para a sua compra – a satisfação é certa! Confira algumas dicas:

Leloo (https://www.leloo.com.br)

A Leloo é uma loja especializada em peças infantis de temas lúdicos e conta com uma série de fofuras para presentear bebês e crianças, como brinquedos, almofadas, mordedores, todos lindos e com design exclusivo.

Naninha Ursinho Cinza
Naninha Ursinho Cinza

TeraPlay – brinquedos terapêuticos (https://teraplay.com.br/loja/)

A TeraPlay é uma empresa com produtos especialmente desenvolvidos para auxiliar as crianças a desenvolverem seu lado emocional e sensorial. A CEO da marca, Cristiane, entrou nesse mercado por acaso, enquanto pesquisava a criação de peças que pudessem auxiliar o filho, diagnosticado com espectro autista. A loja conta com uma série de produtos para crianças, inclusive livros.

Bracelete Emoções
Bracelete Emoções

Pinhata (https://www.facebook.com/PinhataPresentes/)

A Pinhata Presentes produz produtos em tecido e feltro para sua marca e/ou evento. Além de brinquedos lúdicos e que encantam os pequenos, também oferece brindes, lembranças, brinquedos, utilitários, decoração.

Cubo para Colorir Lavável
Cubo para Colorir Lavável

Jan.m (https://www.elo7.com.br/janm/loja)

Especializada em decoração afetiva, a loja tem uma série de lousas em formato diferente que podem decorar o quarto dos pequenos. Todas as peças são produzidas por Gisele, dona da marca e arquiteta.

 Luz de Fada Mini Cupulas Tecido
Luz de Fada Mini Cupulas Tecido

Ideia Crua (http://www.ideiacrua.com.br/)

Que tal um presente personalizado? A estamparia tem uma série de itens desde camisetas até sacolas, que você pode personalizar criando um presente único. Todos os processos de estamparia da Ideia Crua são ecologicamente corretos.

Flâmula estampada - Sua estampa
Flâmula estampada – Sua estampa

Bebê de boa (http://www.bebedeboa.com.br/)

A Bebê de Boa trabalha com roupas para bebês de 0 a 12 meses, valorizando o conforto dos pequenos. Lá você consegue encontrar roupas lindas para bebês pequenos.

Macacão Bebê de Boa de Plush com Bordado Robô mescla cinza
Macacão Bebê de Boa de Plush com Bordado Robô mescla cinza

Caramelito (https://www.elo7.com.br/caramelito/albuns)

A Caramelito é uma loja de artigos infantis, com itens de vestuário exclusivos, utilidades e decoração como camisetas, almofadas, colares de âmbar, entre outros.

Cachepô Cesto Pássaro Fio de Malha
Cachepô Cesto Pássaro Fio de Malha

Na Casa Dela Tinha (http://www.nacasadelatinha.com.br/)

A loja comercializa acessórios diferenciados e artesanais como nécessaires, bolsas e capas para livros, e lancheiras.

Conjuntinho Alice sonhadora
Conjuntinho Alice sonhadora

Todas as empresas são clientes em desenvolvimento na Feminaria.

4 motivos para fazer seu plano de negócios

Lugar de plano é no papel

Conheça os motivos para criar seu planejamento

Muitos empreendedores defendem a ideia de que planos não são necessários para fazer o básico do dia a dia, mas sem o planejamento adequado fica praticamente impossível executar alguns aspectos do negócio, inclusive pensar em uma futura expansão dele. Confira alguns motivos pelos quais você deveria pensar em ter um plano de negócios:

Planejar é olhar, pensar, desenhar, imaginar, esquematizar... e começar de novo do zero quantas vezes necessário

 

1 – Avaliar sua ideia de negócio

Você tem uma ideia de negócio que parece interessantíssima, mas não sabe se ela é realmente viável? O plano de negócios vai levantar as respostas que você precisa para isso. Ao fazê-lo você irá pensar e pesquisar aspectos como: modelo de negócio, público, entre outros.

2 – Definir objetivos claros

Muitos negócios iniciam e sobrevivem com o objetivo básico de lucratividade, mas acabam se perdendo nos seus valores e objetivos de utilidade. Ter objetivos claros lhe ajudará a chegar neles mais rápido.

3 – Conhecer seu mercado

Sua ideia tem concorrência? Quais são seus diferenciais perante eles? Conhecer os vizinhos é tão importante quanto conhecer os aspectos internos da sua empresa. Além disso, é conhecendo o mercado que você conhecerá uma das partes mais importantes do seu negócio: seu cliente.

4 – Investimentos

Saber qual é o investimento inicial do seu negócio é apenas um dos pontos financeiros que você precisará estudar ao longo da sua jornada. Além de permitir que você planeje futuras possibilidades de investimento, o plano de negócios também permite que você busque investidores externos, já que esse será um dos primeiros documentos que lhe serão pedidos.

Na Feminaria todas as clientes tem pleno auxílio na criação do seu plano de negócios durante o Programa Expansão.

 

Como empreender sem sair do emprego em 7 dicas

Empreender e ainda continuar no trabalho formal não é um impeditivo, minha amiga. A bem da verdade, se você usar sua sagacidade, vai conseguir tirar proveito dessa situação e ganhar com isso.

Empreender sem sair do emprego: siga essas dicas e aproveite o melhor de dois mundos.

Empreender sem sair do emprego é mais ou menos assim: um exercício eterno de equilíbrio de agendas.
Empreender sem sair do emprego é mais ou menos assim: um exercício eterno de equilíbrio de agendas.

A decisão de empreender não escolhe data. Por isso, muitas vezes pode acontecer de conseguirmos a coragem para tal justamente quando estamos ali dentro do formato clássico: trabalhando formalmente. Empreender requer sacrifícios, é um caminho bastante longo, vai exigir de você decisões difíceis, e ao mesmo tempo você precisará continuar dando conta das suas tarefas dentro do ambiente corporativo. Optando por continuar na estabilidade do seu trabalho no corporativo – com os benefícios que ele traz – enquanto lida com o desenvolvimento do seu negócio é tentador: você só precisará estar atenta para não prejudicar nenhum dos dois universos.
Algumas dicas de quem já esteve aí poderão te ajudar a definir a estratégia da transição:

1 – Não misture as coisas

Essa vai ser uma das partes mais difíceis. Você precisará estar focada no seu trabalho diário e deixar pra investir tempo no seu empreendimento enquanto estiver em casa – se você misturar os e-mails, telefonemas e negociações correrá o risco de pecar em ambas as tarefas. Uma vez em casa cuidando do seu empreendimento, os negócios da empresa não podem tomar seu tempo;

2 – Planeje: faça um plano de negócios para o desenvolvimento do seu produto e considere suas horas de trabalho no corporativo

Dessa forma você não ficará tentada a misturar as coisas. Eduque-se para fazer o que tem que ser feito durante todo o seu tempo livre, mapeie as habilidades que serão necessárias para o seu projeto e dedique-se a desenvolvê-las (sabemos que não é fácil, mas é seu projeto de vida, certo?);

3 – Utilize a tecnologia

Ela será sua aliada desde o inicio; processos que puderem ser automatizados te darão um respiro enquanto mantém sua “vida dupla,” plataformas e aplicativos podem fazer seu papel durante o período em que você se dedica a empresa. Aplicativos como Trello e a técnica Pomodoro são uma mão na roda.

4 – Fique atenta ao seu orçamento

Uma vez estabelecido o limite de permanência dentro do corporativo, você precisará se programar para não ter um salário mensal, portanto esteja ciente de que seu poder financeiro vai mudar consideravelmente: os passos iniciais do seu negócio serão vagarosos e você deve saber que seu padrão de vida poderá mudar por um período – se você se programar para isso com certeza terá uma transição mais tranquila;

5 – Não esqueça onde está

Dentro do ambiente corporativo você está por dentro de tudo o que esta acontecendo no mercado. Use isso a seu favor e, ao pensar em sair da empresa, não esqueça que foi ali que começou sua jornada; leve toda essa experiência pra sua realidade empreendedora – contatos sempre serão contatos, conhecimento aprendido é investimento;

6 – Envolva-se na nova realidade

Respeite o tempo de maturação do seu próprio negócio e faça contatos e parcerias. Participe de ambientes que proporcionem trocas de experiência e networking com pessoas da área em que você pretende empreender;

7 – Uma vez em voo solo, dedique-se de corpo e alma

Agora dedicada 100% ao seu empreendimento, estabeleça parcerias, faça visitas e troque o home office por espaços de trabalho compartilhado. Eles tem baixo custo e a estrutura inicial pra receber seus clientes; também são uma bela fonte de troca e inspiração.

Está passando por essa transição? Gostaria de receber mais dicas sobre o ambiente empreendedor e se atualizar em questões profissionais? Assine nossa newsletter – a assinante conta com conteúdos exclusivos!

Vendas nas redes sociais: você está realmente fazendo negócios?

– por Ana Carolina Moreira Bavon

Busy female student preparing for exam in cafe

Num grupo de internet qualquer:

Postem aqui suas marcas, estou procurando um presente.

– 458 comentários

Ofereço terapia com florais na região de Santana por R$ 100 a hora

Nossa, que caro!

– Faço por R$ 70

– 587 comentários

Minha amiga, você conhece essas situações? Se você está lendo esse texto, as chances de ter se identificado com uma, outra – ou até ambas: é de 80%. Sim, porque fazemos negócios na internet, mas será que fazemos mesmo?

A única maneira de mensurar se a sua permanência em grupos de internet está gerando um resultado positivo é se fazendo algumas perguntas e sendo MUITO honesta consigo mesma. Vou te dar algumas dicas de perguntas:

1 – Quanto tempo do meu dia eu gasto fazendo a “manutenção” desses grupos?

Lembrando sempre que sua hora vale dinheiro – portanto, o tempo em horas que você passa ali precisa ter retorno.

2 – Quantas vezes mudei meu preço em razão dos valores que eu vi em produtos similares?

Sinal vermelho aqui! É importante saber a realidade do mercado, mas antes disso é preciso saber se esse é de fato o seu mercado.

3 – Quantas vezes entrei em disputa por melhor preço?

Na ânsia de conquistar clientes, é possível que em algum momento você tenha feito isso. É muito comum acontecer quando estamos começando, mas pensa aqui comigo: será que colocar seu produto como opção mais barata vai ter efeito positivo a longo prazo?

4 – Quantas clientes você conseguiu fidelizar a partir das suas vendas nesses grupos?

Aqui o saldo deve ser muito positivo. Caso contrário, vai denunciar algo de errado, que pode ser: algum aspecto da maneira como você vende, o ambiente que você frequenta pode não ser o do seu publico, entre outras possibilidades que precisam ser analisadas com carinho.

5 – Qual o meu objetivo nesses grupos?

Vender! Você vai me responder de bate pronto. Mas esse é o objetivo primeiro e não deve ser o mediador das suas atitudes pra com sua marca. Construir um negócio implica muito mais coisas do que a venda em si. Você precisa saber: aonde quer chegar, como quer chegar, o que quer que as pessoas enxerguem em você, qual o perfil dos clientes que você quer manter? Se em pelo menos 3 respostas não remeterem à realidade dos grupos de vendas da internet (Facebook), você está perdendo seu precioso tempo.

Young office woman looking at smartphone screen

Após ler esse artigo, sente-se na sua companhia e responda a essas perguntas sobre os clientes que você gostaria de ter e fidelizar:

a) Quem ele é? Qual é seu perfil comportamental e social?

b) O que ele quer? Seu produto ou serviço atende a necessidade desse cliente em potencial?

c) Como vender pra esse cliente? Qual o canal adequado? Onde ele está?

d) Quando meu cliente em potencial precisará do meu produto ou serviço?

Voilá! Você tem um ponto de partida pra definir sua estadia em grupos. Investigue, esteja atenta, não relaxe e nem se sinta confortável demais em vendas por esses meios. O mundo é infinitamente maior do que ele parece na internet e digo isso porque você precisa saber que se limitar não é um opção.

Aqui na Feminaria, podemos te ajudar nessas e outras escolhas. Para mais informações sobre como ser Associada Feminaria, envie um e-mail para: contato@feminaria.com.br ou casa.feminaria@feminaria.com.br.


Ana Carolina Moreira Bavon

Advogada, consultora jurídica e fundadora da Rede Feminaria.


* Imagens: Freepik

Formalize suas relações comerciais – 5 bons motivos para usar contratos

– por Tatiana Dias

Basta conversar com meia dúzia de amigas para saber que a contratualização das relações comerciais é algo completamente alheio à realidade da maior parte das pequenas empreendedoras brasileiras. Prestadoras de serviço autônomas e pequenas empresas têm o costume de trabalhar sem nenhum tipo de formalização, contando apenas com acordo “de boca” ou algumas mensagens trocadas.

No mundo ideal, ninguém precisaria de contrato, todos se comunicariam perfeitamente, não haveria descumprimento dos combinados, nem litígio. Mas vivemos no mundo real, em que a falta de um contrato claro e formalizado por escrito pode acarretar problemas bastante sérios e consequências devastadoras para uma pequena empreendedora.

Unrecognizable businesswoman holding document and shaking hand of business partner after signing of contract. They sitting at table. Negotiation concept

É verdade que a maioria das pessoas nem imagina por que deveria investir na formalização de contratos com seus clientes. Por isso, vou listar apenas alguns bons motivos para nunca trabalhar sem um contrato:

1. O contrato irá definir de forma clara e definitiva o que está sendo oferecido e o que o cliente pode esperar de você.

Pode parecer estranho, mas é imensa a quantidade de problemas que surgem pela falta de definição clara do que será entregue ao cliente, seja seu negócio um serviço ou produto.

Muitas vezes são feitas diversas tratativas com o cliente e não é definida claramente a proposta final. O que devemos ter em mente é que a comunicação é um dos maiores problemas da humanidade e talvez não seja muito prudente contar com uma comunicação sem falhas nos seus negócios.

No contrato, uma das principais cláusulas sempre deverá ser o Objeto e a Abrangência da contratação, que deverá ser redigida da forma mais clara possível, deixando demarcado para o cliente e para o fornecedor exatamente o que deverá ser entregue.

Você sempre poderá se remeter ao contrato quando o cliente quiser incluir “mais um negocinho” no job, que não foi negociado no preço do serviço ou produto.

2. O contrato irá esclarecer os limites da relação.

Cada pessoa ou empresa trabalha de um jeito, tem seus critérios de atendimento, forma de relação com o cliente, prazos de resposta e forma de trabalho.

Essas questões normalmente são ignoradas na negociação e se isso não ficar claro para o seu cliente, a chance de ter problemas é bem grande.

Um bom contrato tratará sobre os limites da relação, garantindo que não haja frustração para o cliente, nem sobrecarga para a empreendedora e aumentando as chances de uma boa relação comercial.

Acredite, se o cliente souber os limites quando está contratando, observar esses limites será muito menos frustrante e ele vai evitar bastante te ligar para reclamar da vida às 7h do domingo.

3. Ter um contrato reduz a chance de não receber o pagamento.

Não só de não receber, mas de receber no prazo e forma combinados.

No contrato, tudo fica ajustado bem certinho para que, depois, não haja discussão sobre os valores devidos, prazo, data e forma de pagamento. Dessa forma, você não terá problemas para cobrar exatamente o que foi contratado, inclusive judicialmente, se necessário.

Além disso, o contrato poderá instituir garantias para assegurar o cumprimento da obrigação (no caso, o pagamento), como multas, retenção do produto ou serviço, entre outras.

Ou seja, ter um contrato escrito não garante que você vai receber, mas reduz significativamente essa chance, além de criar mecanismos de ‘compensação’ em caso de não-pagamento ou atraso.

4. Ter um contrato sugere que seu trabalho é profissional.

Apresentar um contrato escrito ao cliente pode ser um receio de muitas empreendedoras, que imaginam ser um ônus a mais para a contratação. Porém, o que se deve ter em vista é que um bom contrato traz segurança para ambas as partes e um cliente sério não vai se opor a contratualizar o negócio, pelo contrário, irá se sentir mais seguro para contratar seu serviço ou produto.

A formalização do negócio irá sugerir que você ou sua empresa são negócios profissionais, que sabem o que estão fazendo e não estão para brincadeira. O benefício colateral disso ainda é cair fora de furada. Se o possível cliente não estiver com intenção de honrar o combinado, vai pular fora e você vai se livrar de uma roubada.

Young businesswoman giving pen to somebody

5. O contrato define claramente como se dá o encerramento do negócio.

Além de definir o encerramento regular do negócio, com a conclusão do serviço ou entrega do produto e correspondente contraprestação, um bom contrato também irá estabelecer as situações em que ambas as partes podem romper o negócio antecipadamente, com ou sem justa causa, o prazo de antecedência para a rescisão e multas pela rescisão antecipada.

Isso é especialmente importante em relações de médio e longo prazo, quando há diversos itens envolvidos ou a prestação de serviço se dá de forma contínua ao longo do tempo, afinal, é preciso definir o que justifica a ruptura do acordo sem cumprimento e quais os critérios para que isso aconteça de forma a reduzir o prejuízo de ambas as partes.

Esses são apenas alguns benefícios. Outras previsões podem ser de extrema importância em casos específicos, como aqueles que envolvam direitos autorais, direitos de imagem ou responsabilidade profissional regulamentada.

Cada empreendedora enfrenta dificuldades e suporta necessidades específicas. Por isso, a elaboração de um bom contrato é uma tarefa a dois, entre advogada e empreendedora, pois você é a melhor pessoa para dizer o que você oferece, quais os maiores riscos e o que é mais importante destacar para proteger no seu negócio.

A conclusão, empreendedoras, é que um bom contrato “guarda-chuva”, que possa ser adaptado a cada nova contratação, pode ser um dos melhores investimentos que você pode fazer pelo seu negócio.

———-

Precisa de mais informações sobre essa ou outras questões jurídicas? A Tatiana é Consultora da Feminaria e oferece atendimento às nossas Associadas. Para agendar o seu horário, entre em contato pelo telefone (11)2737.5998 e verifique a disponibilidade. Para mais informações sobre como ser Associada Feminaria, envie um e-mail para: contato@feminaria.com.br ou casa.feminaria@feminaria.com.br

Tatiana Dias

Graduada em Direito (PUC-SP) e pós-graduada em Direito e processo do trabalho (PUC-SP) e formação em Mediação (ESA SP), Negociação sindical (FGV SP) e Coaching Ontológico (Instituto Appana SP). Com experiência de 10 anos nas diversas áreas do Direito, atualmente atua especialmente com Direito trabalhista, cível e contratual. Estuda relações de trabalho, contratos, soluções alternativas de conflitos, filosofia, gênero, empreendedorismo e desenvolvimento humano.